Trabalho para G1

Destacado

Exercício G1 (em dupla/trio)

Noções de Modernidade

A dupla de alunos deve produzir um texto que estabeleça uma relação entre noções que caracterizam a modernidade e uma determinada vanguarda artística [1]. Em seguida, a dupla deverá estabelecer novas relações entre as mesmas noções utilizadas na primeira análise num objeto, fenômeno ou manifestações artísticas contemporâneo[2]. Por fim, a dupla deverá gerar uma conclusão que estabeleça relação entre a vanguarda e o exemplo escolhido na contemporaneidade salientando diferenças e semelhanças no que diz respeito às noções de modernidade.

Especificações técnicas

  • Relatório digital
  • Formato em PDF
  • Não existe número mínimo de laudas, linhas ou caracteres.

Atenção: Evitar plágio!

Apresentação: O grupo deverá produzir uma apresentação projetada (pdf). A apresentação é uma síntese da pesquisa e da análise encaminhada no relatório e tem por intuito o compartilhamento dos assuntos tratados com a turma. Todos os membros do grupo devem participar da apresentação.

Entrega de TODOS os trabalhos escritos:

  • 27 de abril de 2018

Data das apresentações:

  • 25 e 27 de abril de 2017

[1] Escolher preferencialmente uma vanguarda artística (ou um movimento da arte moderna) que tenha tido seu início antes da segunda guerra mundial.

[2] No caso de objetos, escolher algo que seja representativo na contemporaneidade (ex: celular) na associação deste objeto com práticas de um determinado grupo.  No caso de fenômenos, da mesma forma, identificar algo que seja socialmente representativo (ex: o surgimento de minorias e suas reivindicações por aceitação social). No caso de manifestações artísticas pode se trabalhar em diferentes segmentos como o teatro, dança, escultura etc. Escolher preferencialmente manifestações (ou movimentos) artísticas posteriores ao ano de 2004.

Urgência

Reproduzo aqui o texto da escritora Eliane Brum em que reflete sobre os sentidos de urgência na sociedade contemporânea.

Publicado originalmente na Revista Época, 29/04/2013 (link para o texto original)

É urgente recuperar o sentido de urgência

Nós, que podemos ser acessados por celular ou internet 24 horas, sete dias por semana, estamos vivendo no tempo de quem?

ELIANE BRUM – Uma Duas (LeYa) – e de três livros de reportagem: Coluna Prestes – O avesso da lenda(Artes e Ofícios), A vida que ninguém vê (Arquipélago, Prêmio Jabuti 2007) e O olho da rua – uma repórter em busca da literatura da vida real (Globo).

Dias atrás, Gabriel Prehn Britto, do blog Gabriel quer viajar, tuitou a seguinte frase: “Precisamos redefinir, com urgência, o significado de URGENTE”. (Caixa alta, na internet, é grito.) “Parece que as pessoas perderam a noção do sentido da palavra”, comentou, quando perguntei por que tinha postado esse protesto/desabafo no Twitter. “Urgente não é mais urgente. Não tem mais significado nenhum.” Ele se referia tanto ao urgente usado para anunciar notícias nada urgentes nos sites e nas redes sociais, quanto ao urgente que invade nosso cotidiano, na forma de demanda tanto da vida pessoal quanto da profissional. Depois disso, Gabriel passou a postar uns “tuítes” provocativos, do tipo: “Urgente! Acordei” ou “Urgente: hoje é sexta-feira”.

A provocação é muito precisa. Se há algo que se perdeu nessa época em que a tecnologia tornou possível a todos alcançarem todos, a qualquer tempo, é o conceito de urgência. Vivemos ao mesmo tempo o privilégio e a maldição de experimentarmos uma transformação radical e muito, muito rápida em nosso ser/estar no mundo, com grande impacto na nossa relação com todos os outros. Como tudo o que é novo, é previsível que nos atrapalhemos. E nos lambuzemos um pouco, ou até bastante. Nessa nova configuração, parece necessário resgatarmos alguns conceitos, para que o nosso tempo não seja devorado por banalidades como se fosse matéria ordinária. E talvez o mais urgente desses conceitos seja mesmo o da urgência.

Continuar lendo

Impressionismo, Arts & Crafts e Art Nouveau

Abaixo apresento alguns links de instituições e artistas interessantes que auxiliem a compreender melhor os movimentos.

Museus:

Metropolitan Museum of Art: Heilbrunn Timeline of Art History
Victoria & Albert Museum

Impressionismo

Eliseu Visconti (e a reforma do Theatro Municipal)
Impressionism: Art & Modernism (artigo/ Met Museum) 

Arts & Crafts

William Morris (verbete/artigos)
Arts & Crafts (artigo)
Irmandade dos Pré-Rafaelitas (verbete/artigos)
European Revivalism (Gothic Revival)
Pre-Raphaelites (Irmandade dos Pré-Rafaelitas)
Design Reform (Crítica e reforma do Design no Reino Unido)
Morris & Company (Empresa de William Morris)

Art Nouveau

Mucha Foundation (Alphonse Mucha)
Horta Museum (Victor Horta)
Charles Rennie Mackintosh Society (Charles Mackintosh)
Museu Klimt (Gustav Klimt)

 

 

Texto: O ritual do corpo entre os Sonacirema

Segue o llink para o texto: O Ritual do Corpo entre os Sonacirema.

Questões para a reflexão
(ALERTA DE SPOILER: ler o texto antes de ler as perguntas)

  1. O autor do texto utiliza o termo atividades rituais. Qual a conotação empregada por ele?
  2. Qual o “feitiço” ao qual o autor se refere? Por que utiliza tal metáfora?
  3. O que são :
    1. Santuário
    2. Arca embutida na parede
    3. Homem-da-boca-sagrada
    4. Latipsoh
  4. Como você apreendeu o fato da sociedade ocidental ser descrita desta forma?
  5. Comente a afirmação: Povo obcecado pela magia. 
  6. Em que parte do texto fica evidente uma hierarquização das sociedades?
  7. Você concorda com a afirmação de que o autor do texto ironiza a racionalidade típica da sociedade ocidental contemporânea?

Citações e referências segundo normas da ABNT

Conforme prometido, segue aqui um pequeno documento que sintetiza algumas normas para citações e referências em trabalhos acadêmicos.

Referências e citações – ABNT

Para consultar as normas completas e verificar outros casos de citações convém pesquisar pelas normas citadas (NBR-6023 e NBR-10520).

Sobre plágio e problemas de citação, vejam o pequeno artigo nesse blog. Acaba funcionando também como um exemplo de formatação e apresentação das referências segundo as normas.

Outro link que pode ser interessante apresenta as normas para apresentações de tese: http://www.puc-rio.br/ensinopesq/ccpg/normas/

Questões para estudo dirigido: Modernidade e Modernismo

Questões para o estudo dirigido do livro Condição Pós-Moderna, de David Harvey. Capítulo 2: Modernidade e Modernismo (p. 21-44).

  1. Quais as características considerados por Harvey a partir de outros autores que marcam a modernidade?
  2. Segundo Habermas, em que consiste o projeto da modernidade?
  3. Qual os argumento de Max Weber contra o projeto iluminista?
  4. As mudanças da modernidade e a sensação de fragmentação e efemeridade demandavam uma postura do artista moderno. Na visão de Baudelaire, o que deveria fazer o artista moderno bem-sucedido?
  5. Que aspectos forcaram os produtores culturais a seguir uma forma de competição de mercado que reforçariam  processos de “destruição criativa” no campo estético?
  6. Porque o autor afirma que o “modernismo era uma arte das cidades”?
  7. O pensamento iluminista tendia ao universalismo, julgava ser possível chegar a leis universais mediante o uso da razão. O que ocorre com a fixidez categórica do pensamento iluminista a partir de 1848?
  8. O período do modernismo chamado “heroico” tem uma de suas alas recorrendo à necessidade de estabelecer um mito “eterno”. Que elemento foi utilizado para isto?
  9. A que fatores o autor atribui a absorção do modernismo pelo establishment político apósa primeira guerra mundial?