Padronagens na biblioteca do British Pathé

Essa postagem apresenta uma coleção de vídeos que mostram diferentes processos de concepção e produção de padronagens e estampas registrados pela empresa de jornalismo cinematográfico British Pathé.

A dica preciosa foi dos pesquisadores em História do Design e professores, Almir Mirabeau e Edna Cunha Lima.

Fabric Painting and Printing (1955)

Mostra um grupo de mulheres que produz suas próprias estampas à mão ou imprimem com a técnica de gravura em linóleo.

Continuar lendo

Lula Rocha: O que é Rapport?

Reproduzo abaixo o excelente texto do meu colega, professor Lula Rocha, sobre Rapport.

Lula dá aulas de diversas disciplinas e já foi mencionado neste blog ao falarmos de seus tutoriais no site Metapix (ver aqui e aqui).

O que é Rapport?

Na área do Design de Superfície e Estamparia, o termo Rapport é traduzido, tanto em inglês como em português, como Repeat ou Repetição.

No entanto, Rapport não é simplesmente repetição e uma boa parte das explicações tradicionais não esclarece bem o conceito e acaba gerando confusão.

Então, neste artigo eu vou apresentar a minha definição de Rapport e mostrar alguns exemplos que, eu espero, ajudem você a visualizar, entender e poder aplicar nas suas criações:

Rapport é um tipo especial de repetição,
de um módulo com encaixes perfeitos,
projetado para alcançar um resultado específico.

0-rapport11O segredo do Rapport está no encaixe entre os módulos

O módulo é a menor parte do padrão que contém todos os seus componentes visuais; motivos, linhas, cores, texturas, espaços, etc. E o padrão é o resultado da repetição ordenada deste módulo.

Mas no padrão com Rapport, o módulo tem mais um componente decisivo que fica sempre meio escondido: o encaixe.

Este módulo especial, que eu particularmente gosto de chamar de “Módulo com Rapport”, tem que ser projetado de maneira que o complemento de um lado seja repetido no lado oposto, para que, quando posicionados lado a lado, os módulos se encaixem formando motivos inteiros.

0-rapport1-lados

No exemplo acima os lados se completam formando motivos inteiros, mas voltando a definição, existem outras situações ou variações onde estes “resultados específicos” também só são alcançados se o módulo for projetado com “encaixes perfeitos”. Vamos ver mais exemplos:

Continuidade

No padrão continuo os módulos se entrelaçam, as emendas desaparecem, o desenho original fica escondido e não se pode identificar um começo ou fim. Este tipo de padrão também é conhecido como “Padrão sem emendas”, em inglês Seamless Tile.

2-continuidade-31

Allover

No padrão Allover os motivos são espalhados, rotacionados e refletidos de maneira que não podemos dizer se o padrão está de cabeça para cima ou para baixo.

1-allover2

Fechamento (Figura e Fundo)

Popularizado pelo famoso artista holandês M.C. Escher, o padrão com fechamento, também conhecido como clausura ou efeito de Figura e Fundo (nas leis da Gestalt), acontece quando os módulos se encaixam de tal maneira que o desenho inicial dá origem a novos desenhos.

3-figura-fundo-parte1
3-figura-fundo-parte2

Repare no exemplo acima que foi utilizado um Sistema de Repetição não alinhado com deslocamento horizontal e também que o desenho inicial foi posicionado em sentidos opostos dentro da célula. Mais detalhes a seguir:

Sistema de Repetição não alinhado

O Sistema de Repetição define a regra que deve ser seguida para a criação do padrão. Ele consiste basicamente num Grid formado por células dentro das quais os módulos são posicionados.

No Sistema de Repetição não alinhado as células são deslocadas na horizontal ou na vertical e por isso o módulo tem que ser projetado de tal maneira que, quando repetido lado a lado, resulte na noção de deslocamento desejada.

5-tijolo-diagrama

Exemplo de Sistema de Repetição com deslocamento horizontal, também conhecido como “Tijolo”

5-tijolo-parte1
5-tijolo-parte2

Célula x Módulo

Como você deve ter reparado no exemplo acima, existe uma diferença entre a célula e o módulo.

Isto significa que o módulo pode ser posicionado dentro da célula de diferentes maneiras, por exemplo rotacionado ou refletido (como os peixes no padrão com fechamento).

Superposição

E também é importante notar que o módulo não precisa ter, necessariamente, o mesmo tamanho da célula.

No caso de um módulo menor do que a célula temos espaços entre os módulos e no caso de um módulo maior do que a célula temos uma superposição de módulos.

Vídeo Recurso de Padrão do IllustratorCélula x Módulo e Superposição

Veja como o recurso de padrão do Illustrator faz a mesma distinção entre célula e módulo permitindo superposição.
(Vídeo do Curso de Illustrator para Design de Superfície e Estamparia – Site Metapix)

Técnica para encontrar o Módulo com Rapport

Gostou de um padrão mas não está conseguindo visualizar o módulo?

Experimente: escolha um ponto de partida bem definido ( P ), siga para a direita e para baixo até encontrar o mesmo ponto, criando um quadrado ou retângulo imaginário.
Pronto! Ai está o Módulo com Rapport.

6-Encontrando-modulo

6-Encontrando-o-modulo-thumbEncontrando o módulo

Veja um exemplo de como encontrar e isolar o Módulo com Rapport no Illustrator. (Vídeo do Curso de Illustrator para Design de Superfície e Estamparia – Site Metapix)

Conclusão

Mesmo que contradizendo as explicações tradicionais, no fundo no fundo, eu até arriscaria dizer que Rapport NÃO é repetição …

Que tal procurar no dicionário?

Se você procurar no dicionário a definição ou a tradução da palavra Rapport (de origem francesa) você não vai encontrar nada falando de repetição e sim sinônimos como harmonia, ligação e conexão, sempre do ponto de vista de um relacionamento.

Definição de Rapport - Referência Infopedia Online

Faz todo sentido!

No padrão com Rapport este “relacionamento” acontece entre os lados do módulo, isto é, no encaixe entre os módulos.

Logo, na prática da criação de padrões, Rapport é encaixe.

Lula Rocha

Rio de Janeiro, abril 2014


Lula Rocha
Lula Rocha é designer com mais de 20 anos de experiência em projetos de Identidade Visual, Produção Gráfica, Tratamento de Imagem, Desenho Vetorial e Webdesign. Formado em Comunicação Visual e Desenho Industrial pela PUC-Rio e Mestre em Design pela Central Saint Martins College of Art & Design. Professor dos cursos de Graduação em Design da PUC-Rio e Pós-graduação em Design de Estamparia do SENAI/CETIQT-RJ. Especialista Certificado Adobe e cofundador do site Metapix.

Posso usar este material?

Sim. Sempre dentro dos limites da legislação de direito de autor e de direitos conexos, esta licença permite que outros remixem, adaptem e criem a partir deste material para fins não comerciais, desde que atribuam a Lula Rocha o devido crédito e que licenciem as novas criações sob termos idênticos.

Licença Creative Commons©2014 Lula Rocha. Licença Creative Commons.
Atribuição – Não comercial – Compartilha igual

Padronagem no Illustrator

Para quem quer aprender experimentar os padrões no Illustrator, basta desenhar o módulo, selecioná-lo e ir ao menu Edit>Define Pattern…

Em seguida abrirá uma janela “New Swatch” onde aparecerá as informações do padrão. Basta nomear o padrão.

Assim que clicar em OK, a nova Swatch (amostra de cor/padrão) aparecerá no menu Swatches (se estiver oculto, clicar no menu Window>Swatches).

 

Uma vez na janela de Swatches, basta selecionar o padrão e aplicá-lo como cor de fundo em uma forma geométrica.

Pronto, o padrão poderá ser aplicado automaticamente em qualquer forma.